Se beber, não dirija.

por Luan Lopes publicado 17/02/2020 17h48, última modificação 17/02/2020 17h48
Pesquisas realizadas já comprovaram que os acidentes de trânsito diminuíram após a entrada em vigor da nova legislação.

Você já deve estar cansado de ouvir falar de álcool e direção não combinam, que são grandes causadores de acidentes e mortes no trânsito e consequentemente se tornam uma combinação fatal. Mas tem gente que continua insistindo em desobedecer a lei, correr riscos e colocar a vida dos outros em risco também. Por isso a gente vai continuar lembrando: se for dirigir não beba.

Bebi. E agora?

Uma vez que a bebida é ingerida, ela está presente no sangue. Isso significa que recursos como manter o estomago cheio, ou tomar banhos gelados, ou tomar um cafezinho, ou a utilização de outros meios, podem até diminuir a sensação de embriaguez, mas não conseguem retirar o álcool do sangue e não restabelecem os reflexos normais da pessoa.

Qualquer quantidade de álcool ingerida, por mínima que seja, diminui os reflexos da pessoa, fazendo com que ela não tenha plenas condições para dirigir. O ato de dirigir exige pensamento rápido e muita atenção. A lei é muito clara: não é permitido nenhum nível de concentração de álcool por litro de sangue. Para não se arriscar a sofrer as penalidades previstas em lei e nem colocar sua vida e a de outros em risco, lembre-se que se for dirigir, não beba em hipótese alguma.


Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.